quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Mercado das Madalenas chega a 20a edição e acontece no Museu da Casa Brasileira


-->
Informações à imprensa
2018

MCB promove 20ª edição
do Mercado das Madalenas
A feira celebra a Primavera em 14 e 15 de setembro, sexta e sábado, das 10h às 20h, com mais de 100 expositores da economia criativa e entrada gratuita


Divulgação

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Cultura do Estado, gerido pela Sociedade Civil por meio da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, apresenta edição especial de Primavera e de comemoração da 20ª edição do Mercado das Madalenas, nos dias 14 e 15 de setembro, sexta e sábado, das 10h às 20h, com entrada gratuita.

Com mais de 100 expositores dos segmentos de moda, joias, acessórios, arte, design, ilustração e artigos infantis, a feira contará também com opções diversificadas de gastronomia, entretenimento, oficinas e aulas de meditação, yoga e tai chi chuan.

Para as curadoras Inara Prudente Corrêa e Mônica Isnard, a missão do Mercado das Madalenas é fazer com que os visitantes encontrem o melhor da produção independente.

“Proporcionamos uma oportunidade a quem garimpa novidades e, ao mesmo tempo, incentivamos a liberdade de criação. Nosso ambiente descontraído resulta numa conexão espontânea entre expositores e consumidores”, explica Inara. “Essa é uma característica que faz toda a diferença tanto para quem participa, quanto para quem visita a feira”, complementa Mônica.

“O MCB, único museu do país voltado ao design e à arquitetura, realiza uma série de eventos, como o Mercado das Madalenas, que valorizam o pequeno produtor ou artesão, promovendo seu contato direto com o consumidor final, a fim de garantir a sustentabilidade desta cadeia produtiva”, acrescenta Miriam Lerner, diretora geral do Museu.

PROGRAMAÇÃO CULTURAL
Para participar das atividades é necessário se inscrever pelo e-mail mercadodasmadalenas@gmail.com. Colocar no assunto inscrição e a atividade escolhida. Gratuito.

Dia 14/09 – Sexta-feira
APRESENTAÇÃO
- Hang Drum com Philipe Agnelli - 4 apresentações durante o dia, de mais ou menos 15 minutos cada.

ATRAÇÃO INFANTIL
- Atelier Zig Zag com Silvinha Moraes - construção de fantasias, das 11h às 17h.

AULAS
- Meditação com Prem Ratna, às 11h - duração de 1h - Vagas ilimitadas.
- Organização e Harmonização com Karis Brito, às 13h - duração de 1h – 20 vagas.
Yoga com Valéria Rinaldi, às 16h - duração de 1h - 30 vagas (levar o próprio mat).
- Tai Chi Chuan com Luciana Bertola, às 17h30 - duração 1h - vagas ilimitadas.

OFICINAS
- Feng Shui com Cris Ventura, às 12h - duração de 1h - 30 vagas.
- Reconectar-se com Hilda Pontes, às 15h - duração 1h30 - 30 vagas.
- Empreendedorismo Sustentável com Ricardo Côrrea, às 17h - duração de 1h – 30 vagas.

Dia 15/09 – Sábado
APRESENTAÇÃO
- Hang Drum com Philipe Agnelli - 4 apresentações durante o dia, de mais ou menos 15 minutos cada.

ATRAÇÃO INFANTIL
- Atelier Zig Zag com Silvinha Moraes - construção de fantasias, das 11h às 17h.
- Bicicleta Literária e Cia O Curioso, 3 entradas durante o dia de 40 minutos cada. Horário de início: 12h.

AULAS
- Meditação com Prem Ratna, às 11h - duração de 1h - Vagas ilimitadas.

OFICINAS
- Alimentação Orgânica com Ricardo Corrêa, às 12h - duração de 1h – 20 vagas.
- Flower Lab: Arranjos florais com Lov & Inspire, às 14h - duração de 1h – 20 vagas.
- Percursão Corporal com Charlez Rasze, às 15h - duração de 1h - vagas ilimitadas.
- Paper Cutting com Ariádine Menezes, às 15h30 - duração de 1h – 20 vagas.
- Estamparia com Stencil com Renata Ribak, às 17h - duração de 1h – 20 vagas.


Praça de Alimentação:
Café Campo Místico; Caminhoneta Burguer & Co; Cheers; Cuisine Créative; Da Villar Food Cart; Da Villar Food Cart; Do Oriente ao Pote, Gustô Brigaderia; Jais Hand Made; Josi Atelier Gourmet; Salud Chopp & Bike; La Cerda Cozinha Criativa; Lievitata Combucha e Fermentados; Mestiço Chocolates; MiniDelli Gourmet; Mocotó Aqui!; Ó Fresh; Pedala Café & Bistrô; Pimentas e Pitadas; Pracinha de Portugal; Restaurante Mocotó; Restaurante Santinho; Salud Chopp & Bike; Specialitá di Tatá; Vita & Succhi;

Marcas participantes já confirmadas:
1985 d.D; Achados de Brianti; Adedo; Andrea Morelli; Asas da Imaginação;  Atelie Alaine Colucci; Bagbag Store; Bergamia; Bluni; Bossapack; Botanikos Brasil + Casa Bast; ByAna;  Caftantan;  Camila Romero; Casa Motriz; Ceramic by Tati; Cheek Boys; CLY joias; CollabL2; Dafna Edery; Denise Gerassi; Dog & Donos; Dri Carneiro Shoes;  Eclétnica; Editora Gustavo Gili; Essencias da Terra;  Estilo Barkoh; Estudio Capim; Feira Moderna + Edith Pittier Bolsas + Musa Velutina;  Fita de Moça; Giuliana di Fiori Atelier; Greta Atelier; Hayô; Helena Ratto;  Ju Pellizzon; Karin Reiter; KaWa cosméticos; Katia Giambrone; Karin Reiter joalheira; Klatsch; Le Diable; Le Jour Homewear; Loom; Lov&Inspire; Lu Montenegro; Luli Ateliê; Marcella Briotto; Maria Sublime; Mitsuen Fujino; Moeê Atelier; Mole Bags; Mumo; My Bag Studio; Naná flores; Ó A Saia Dela; O Belo no Papel + Katia Giambrone; Ó Fresh; Olfativa Aromas; O Ponto Mosaicos; Pallomitas; Palomita; Para Dormir;  Paula Fabbri; Peixe Amarelo; Ricriare; Riz Jóias Contemporâneas;  Rox Rezende; Roxanne Duchini;  Sacola Tropical; Serendipity Brasil;  SHWE; Sophos Rio;  SPHYNX;  Studio Dalzotto;  Studio Garagem; Studio Maroca; Timirim;  Uber47; Vazu; Veio na Mala; Vira Mundo Atelie; Vivi Pelo Mundo; Zona de Conforto.

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

Sobre o Mercado das Madalenas
O Mercado das Madalenas surgiu em 2012 a partir das sócias e amigas Monica Isnard e Inara Prudente Corrêa, com a proposta de sair do conceito de shopping centers e grandes comércios, por isso tem altos critérios de seleção para seus expositores. O objetivo é gerar oportunidade para quem produz trabalhos de maneira autoral, de forma que os empreendedores possam divulgar seus serviços. Quando foi idealizado, o objetivo principal era reunir amigos em um ambiente que fosse agradável e, ao mesmo tempo, repleto de possibilidades, com o diferencial de permitir aos clientes conhecer melhor quem faz o que está exposto e também o processo de criação dos produtos.

SERVIÇO
Mercado das Madalenas
Dias 14 e 15 de setembro de 2018
Sexta e sábado, das 10h00 às 20h00
Entrada Gratuita

Museu da Casa Brasileira
Av. Faria Lima, 2705
Tel.: (11) 3032-3727

VISITAÇÃO DO MUSEU
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados
Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | www.mcb.org.br  

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira
Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br
Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br
Diane Nascimento – (11) 3026-3900 | estcomunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa – Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo
Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br
Elisabete Alina – (11) 3339-8164 | betealina.culturasp@gmail.com

Informações para a imprensa – Mercado das Madalenas
Solange Viana – (11) 4777.0234 | solange.viana@uol.com.br

 


sexta-feira, 20 de julho de 2018

Veja o filme sobre exposição LOCUS, de Adriana Maciel

Este vídeo é uma síntese dos últimos 10 anos da trajetória da artista Adriana Maciel, que abre exposição em 11 de agosto, na Funarte.




Assessoria de Imprensa: Solange Viana
tel. 11 4777.0234 | solange.viana@uol.com.br
@solangeviana

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Prêmio Funarte em Artes Visuais, ADRIANA MACIEL apresenta exposição em São Paulo


O Ministério da Cultura e Funarte apresentam:
LOCUS - pinturas de Adriana Maciel
Abertura: 11 de agosto, sábado, às 15 h, com visita guiada
Visitação: de 12 de agosto a 24 de setembro de 2018

INSTALAÇÃO | OFICINAS GRATUITAS | PROGRAMA EDUCATIVO

Adriana Maciel, contemplada pelo Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes Visuais - Galerias Funarte de Artes Visuais São Paulo / Ceará - Museu da Cultura Cearense, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, apresenta, a partir de 11 agosto para o público paulistano, a exposição Locus que é uma síntese da sua produção artística dos últimos 10 anos. Foram selecionadas 25 obras desenvolvidas ao longo desse tempo.  Compõem a mostra: 13 telas da série Com-partimentos, 10 objetos pictóricos das séries Núcleos e Rotor, e mais duas instalações: Trajetória e Órbitas. Locus permanece até 24 de setembro em São Paulo e depois segue para Fortaleza.

Com tantas vertentes, a montagem da exposição poderia ser interpretada como uma única instalação, pois há uma unidade entre as obras. Conduz a um labirinto, construído por imagens que fluem pelo pensamento e sensações individuais, em busca do lugar desejado, ou em fuga do lugar que ameaça.
A exposição propõe um jogo lúdico com a nossa percepção, estabelecendo alguns conceitos: ausência e presença, esgarçamento e permanência, dentro e fora, realidade e ficção, excesso e nada, superfície e profundidade, coesão e desdobramento. Ao fragmentar as obras em módulos, cria-se uma estratégia operacional na construção dos espaços pictóricos, adequando-os ao local. Há um movimento de compressão e dilatação implícito. Uma mesma obra pode se apresentar condensada ou ampliada, e às vezes ocupando de forma particular os cantos, chão, teto, alterando a noção do trabalho.
Nas telas, a artista vai “esculpindo” a superfície como se estivesse cortando a parede. Já nos volumes sólidos é como se estivesse anulando a matéria.
Quem for visitar a exposição irá percorrer este circuito divididos da seguinte forma: em Com-partimentos, as telas, em sua maioria polípticos, modulam o espaço expositivo, ocupando de forma estratégica as particularidades de cada local.
Na série Núcleos, temos pequenos objetos de madeira, cuja representação pictórica simula buracos ou reentrâncias em suas superfícies.
Rotor é uma obra composta por 15 objetos redondos de madeira, motorizados, onde os movimentos circulares potencializam a volumetria virtual das representações. As imagens sugerem variações de cavidades, ora côncavas e ora convexas. Alguns objetos sugerem formas orgânicas diversas, como se tivessem vida latente e buscassem a saída de suas cápsulas. Outras peças se assemelham a olhos, estabelecendo um jogo de ver e ser visto.
Em Trajetória temos 70 obras seriadas sobre um tablado de 7 metros. Em cada peça se encontra representado, no centro, um núcleo vazio, um buraco ilusório. Ao seriá-las uniformemente visualizamos uma passagem. O espectador, ao caminhar ao longo da instalação, amplia ainda mais essa percepção, como se as peças fossem interligadas por um tubo virtual.
Órbitas apresentamos uma instalação de 10 peças, seriadas sobre um tablado de 3 metros. Cada peça, redonda, gira sobre seu eixo. A figuração de uma esfera vermelha é potencializada pelo movimento, que ganha autonomia, acentuando sua volumetria. Cada esfera tem sua própria órbita, mas também participa do movimento ao seu redor. A rotação do conjunto cria uma organização desorganizada.
O conjunto das obras traz uma leitura poética de representações de lugares e pequenas construções, como: vãos, frestas, aberturas que dialogam com o espaço expositivo, numa abordagem entre a realidade e a imaginação.  As obras lidam com a fronteira da percepção, entre o imaginário e o real. São imagens que transmitem a solitude e a ausência, e sugerem uma atmosfera psíquica. São Locus invisíveis, construídos para o vazio e o silêncio, para serem ressignificados.  Cenas resgatadas de uma memória esgarçada compõem fragmentos de espaços plausíveis, mas inexistentes. Há uma percepção ambígua e ambivalente sobre o que é para ser visto ou o que importa ser visto. Como se fosse possível materializar onde começa o inconsciente e onde termina a vivência real. Não se trata de representar o mundo onírico, mas de vivenciar a possibilidade desse encontro. É isso que o visitante irá ver aqui.
Link vídeo Locus - pinturas de Adriana Maciel: link1: 4’18   link2: 6’57
https://youtu.be/t0-9rkt3kk0 
-->


SERVIÇO:
LOCUS, exposição individual de Adriana Maciel
Galeria Flávio de Carvalho- Funarte SP
Abertura com visita guiada 11 de agosto às 15h
Visitação: De 12 agosto a 24 setembro de 2018
Lançamento do catálogo c/ presença da artista- dia 22 de setembro das 14h às 16h
Oficina de pintura dia 21 das 14h às 18h, dia 22 das 16h às 19h, dia 23 das 14h às 18h
Agendamento educativo: visitas mediadas e oficina com agendamento prévio gratuito
Contato: Joseph Motta (11) 9 9722.5592 | (11) 9 6522.1773, e-mail:  exposicaolocus@gmail.com
Horário de funcionamento da Funarte: aberto das segundas às sextas, das 10h às 18h, e aos sábados e domingos, das 10h às 21h. Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos- São Paulo. Informações:(11) 3662-5177 | funartesp@gmail.com.
Entrada franca.

Assessoria de Imprensa: Solange Viana
Tel. 11 4777.0234 | solange.viana@uol.com.br  |


ADRIANA MACIEL
Nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais, formou-se em pintura (1990) e licenciatura (1992) na Universidade Federal de Minas Gerais. No Rio de Janeiro, onde vive e trabalha, concluiu o curso Aprofundamento em Artes Visuais da Escola de Artes Visuais Parque Lage em 1995. Sua produção artística inclui pintura, desenho, fotografia e vídeo.

Entre as exposições individuais, destacam-se aquelas realizadas no Centro Cultural Cemig, Belo Horizonte, em 1996; no Paço Imperial, Rio de Janeiro, em 1997; na Funarte, Rio de Janeiro, em 1998, 2008 e 2018; no Centro Cultural dos Correios, Rio de Janeiro, em 2004; e no Palácio das Artes, Belo Horizonte, em 2015.

Participou de diversos Salões de Arte, entre os quais a Bienal de Santos, o Salão de Arte de Belo Horizonte, o Salão Paulista de Arte Contemporânea, o Salão de Arte de Ribeirão Preto, o Salão Nacional Vítor Meireles de Santa de Catarina e o Salão de Arte Pará, em Belém do Pará, bem como das seguintes exposições coletivas: Projeto Abra Coca-Cola, Centro Cultural Vergueiro, São Paulo, em 1998; Rumos Visuais – Itaú Cultural, São Paulo, em 1999–2000; Caixa Cultural Rio de Janeiro, em 2001; Arquivo Geral, Centro Cultural Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, em 2006; Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 2008; e Galeria do Mosteiro de Alcobaça, no ano comemorativo do Brasil em Portugal. Ao longo de sua carreira, foi indicada para a bolsa CIFO – Cisneros Fontanals Art Foundation, Miami, em 2007, e agraciada com estes prêmios: Projeto Macunaíma, Funarte, Rio de Janeiro, em 1998; Prêmio Projéteis Funarte de Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, em 2008; Prêmio Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais, em 2010 e 2013; Edital de Artes Visuais da Fundação Clóvis Salgado Ocupação do Palácio das Artes, Belo Horizonte, em 2015; e Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes Visuais, em 2016.